Em entrevista à Gazeta do Povo, a dermatologista da Neoderme e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) dra. Giseli de Mattos Diosti Stein comentou sobre o alerta da Anvisa em relação ao uso da hidroclorotiazida, conhecido medicamento contra pressão alta que está associado ao aumento do risco de câncer de pele não-melanoma.

Segundo a especialista, alguns medicamentos costumam gerar reações fotoalérgicas, e a hidroclorotiazida é uma delas.

“Ser uma droga fotossensível significa que há, de fato, um aumento no risco de dano na pele pela radiação ultravioleta. A relação com um aumento no risco de um câncer específico da pele, porém, é uma associação nova”, resume a dermatologista.

Diferentemente do melanoma, que é um câncer que pode levar à morte, o não-melanoma, quando diagnosticado precocemente, tem chances de cura altas.

O cardiologista Miguel Morita Fernandes da Silva, do Departamento de Pesquisa da Quanta Diagnóstico e Terapia, também entrevistado pela Gazeta, disse que embora seja um estudo bem delineado, com dados nacionais da Dinamarca, não significa que exista uma ligação direta entre a substância e a doença.

Clique aqui e leia a entrevista completa.

Veja também:

> “Dezembro Laranja”: mês de prevenção ao câncer de pele

> Preenchimento com ácido hialurônico: o que é e quem pode fazer?