Existem dois tipos de flacidez: a muscular (profunda) e a cutânea (superficial). A muscular é causada por sedentarismo, alimentação inadequada e efeito sanfona, famoso, engorda-emagrece-engorda. Já a cutânea ocorre, principalmente, devido à redução desestruturação das fibras colágenas e elásticas. O resultado é a pele “caída” e com aspecto envelhecido.

O corpo sofre mais com a flacidez muscular e para combatê-la é preciso manter uma alimentação rica em proteínas, atividades físicas anaeróbicas, alimentação balanceada, proteção solar, intervenção cirúrgica ou com tratamentos que estimulem a neocolagênese, ou seja, reverter o “afrouxamento” dessas fibras, com a formação de colágeno e elastina novos.

Diferentes tratamentos podem atingir esses resultados, por meio de estímulos elétricos, térmicos, químicos e associação de tecnologias.