Acne

É uma das doenças de pele mais comuns, caracterizada pelo aparecimento de cravos e espinhas na face e tronco, e nos casos mais graves, nódulos na pele que deixam cicatrizes. Aparece mais comumente na adolescência, mas pode acometer mulheres na idade adulta.

São os hormônios sexuais, que começam a ser produzidos na puberdade, os principais responsáveis pelas alterações das características da pele, como o aumento da oleosidade, e pelo desencadeamento da acne (cravos, espinhas, nódulos, cicatrizes).

São os andrógenos os responsáveis pelo início do funcionamento das glândulas sebáceas, que são mais ativas na face, peito, costas e couro cabeludo. Essas glândulas estão presentes desde o nascimento, mas são inativas até a puberdade, época em que, em pessoas com predisposição genética, desencadeia mudanças relacionadas ao conteúdo de gordura da pele e do couro cabeludo.

A acne deve ser tratada o mais precocemente possível. O controle dessa doença é recomendável não só por razões estéticas (melhora da aparência geral), como também para preservar a saúde da pele e a autoestima, além de prevenir cicatrizes (marcas da acne) tão difíceis de corrigir na idade adulta.

O tratamento varia de acordo com a sua gravidade e localização e em função de características individuais. Há opções de tratamento local, via oral ou ambos.

Em formas leves, o tratamento pode ser apenas local. Quando o quadro não evolui bem, associa-se o tratamento por via oral, utilizando-se antibióticos específicos, sempre associados ao tratamento local. O tratamento hormonal, com anticoncepcionais orais, é sempre útil para as mulheres, desde que não existam contraindicações.

Quando não há uma boa resposta aos tratamentos anteriores e se percebe um risco para cicatrizes ou um impacto negativo na qualidade de vida, deve ser indicada, o mais precocemente possível e desde que não existam contraindicações, a isotretinoína oral. A isotretinoína é uma droga segura e altamente eficaz, ou seja, droga de escolha para casos graves ou resistentes às formas leves de tratamento.

Os procedimentos complementares que ajudam no controle da acne são: extração de “cravos”, drenagem de abscessos, infiltração com corticoides em lesões nodulares muito inflamadas ou em cicatrizes elevadas, peelings químicos, microdermabrasão, alguns tipos de laser e luzes.

Orientação para não manipular as lesões, higienização adequada e proteção solar são ações coadjuvantes importantes durante o tratamento. A limpeza de pele, quando bem indicada pelo dermatologista e bem executada por profissional treinado, pode ser um ótimo complemento do tratamento das formas mais leves de acne. Da mesma forma, os chamados “peelings” ou esfoliações químicas podem ser úteis como coadjuvantes ao tratamento.